Nunca realizou procedimentos estéticos faciais?

O cirurgião plástico Alexander Nassif dá as dicas

Já fez algo pela primeira vez? Requer coragem, não é mesmo?! Quando o assunto é o primeiro procedimento estético facial isso não é diferente. Hoje, o mercado oferece diversas opções de técnicas com ações e finalidades diferentes que reforçam a importância do diálogo entre médico e paciente, para que a escolha mais correta seja feita.
Escolher o médico, este é o primeiro passo para quem quer realizar alguma técnica. Saber se o profissional é habilitado e se é membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SDB), de Cirurgia Dermatológica (SBCD) ou de Cirurgia Plástica (SBCP) ajuda a definir se os resultados obtidos no futuro serão os esperados ou não, já que todas as técnicas devem ser feitas por profissionais qualificados. Aí é marcar a consulta, deixar claro as suas expectativas e definir com o profissional o melhor tratamento para você.
O cirurgião plástico Alexander Nassif teve uma conversa super esclarecedora com a gente e disse que a procura por cirurgias plásticas faciais tem caído ao longo do tempo, ou seja, chegou a vez dos procedimentos minimamente invasivos, que podem entregar resultados semelhantes aos de uma cirurgia. “Pacientes cada vez mais jovens têm procurado por intervenções estéticas, por isso a toxina botulínica A, os preenchedores faciais de ácido hialurônico e a técnica do MD Codes, são os tratamentos mais comuns para quem nunca fez procedimento algum, pois não há cicatrizes e o período de recuperação é menor”.
E aí vem outra dúvida muito frequente: qual é o procedimento mais adequado para mim? A toxina botulínica A é indicada para as rugas causadas pelo movimento muscular da face, também conhecidas como dinâmicas. Esse tratamento suaviza as já existentes e também evita que novas surjam, atuando no relaxamento da musculatura facial, grande ferramenta no rejuvenescimento facial, inclusive quando usado preventivamente, como explica o especialista. Além disso, a técnica permite a correção de assimetrias faciais, como por exemplo o levantamento das sobrancelhas.
Já os preenchedores de ácido hialurônico têm outra função e atuam reparando a projeção correta de cada ângulo, devolvendo volume às áreas onde a gordura e/ou estrutura foram perdidas e, ainda, suavizando rugas mais marcadas, quando a toxina botulínica A não é suficiente. A técnica de preenchimento facial tem evoluído muito, a mais inovadora é a MD Codes, que mapeia a face humana e permite que o médico devolva o volume e a estrutura facial apenas utilizando os preenchimentos à base de ácido hialurônico JUVÉDERM®.
O especialista lembra que não há uma idade limite para a realização dos procedimentos minimamente invasivos, mas que essa é uma decisão a ser tomada em conjunto com o médico. O doutor Alexander finaliza que antes de realizar qualquer técnica: “é importante saber os objetivos de cada tratamento, os cuidados que devem ser tomados antes e após a realização dos mesmos para que não haja dúvidas no futuro”. Todo procedimento pode ter intercorrências e a consulta médica é o momento ideal para esclarecer todas estas dúvidas, por isso faça do seu médico seu melhor aliado na hora da escolha da técnica.

 

 

Dr. Alexander Nassif – CRM-MG 39.633