Como evitar alergias com o uso da máscara facial de proteção

Veja dicas de rotina de skincare e evite os efeitos colaterais com o uso contínuo da máscara de proteção

Com a pandemia do coronavírus, tivemos que nos adaptar a uma nova rotina, que inclui o home office, mais tempo com a família,  todo o cuidado com a higiene e o uso com mais frequência de um importante item, que é  a máscara facial. Recomendada pela OMS e o Ministério da Saúde, a máscara deve ser usada sempre ao sair em público. Mas, em longo prazo, ela pode causar efeitos colaterais, como irritação na pele.

Conversamos com a dermatologista Michelle Pontes, que revela alguns cuidados essenciais com a pele durante esse período de quarentena, especialmente as mudanças que devemos tomar para que nossa pele não fique com alergia ou irritações com o uso da máscara de proteção. Anote as dicas!

Antes de tudo, a rotina de skincare não pode ser abandonada. Não é porque estamos longe do sol, que o uso de proteção solar deve ser deixado de lado.  “Mesmo quando estamos em casa, devemos caprichar no uso de protetores solares, principalmente os físicos, que protegem contra a luz visível. Um grande responsável pelo envelhecimento precoce e rugas, essa luz é emitida por telefones celulares e os demais eletrônicos. Se adicionarmos à rotina, um antioxidante, como uma vitamina C, antes da aplicação do protetor solar, haverá um combate ainda maior contra os radicais livres produzidos pela luz visível”, completa a médica.

Com a pele cuidada e protegida, o outro passo é escolher uma máscara que oferece o menor risco para a saúde dela. Segundo a médica, as máscaras cirúrgicas feitas com TNT são feitas com tecidos não alergênicos e por isso não causam alergia, mas essa opção deixamos para os profissionais da saúde. Para o uso social, podemos buscar outras opções. ”O ideal é que a máscara de tecido seja feita de algodão 100% . Os tecidos sintéticos, como o poliéster puro, devem ser evitados pelo risco de causar alergia”.

Se por acaso acontecer algum tipo de irritação na pele, a Dra. Michelle deu algumas dicas do que podemos fazer para amenizar a vermelhidão e sensação de irritabilidade. “O ideal é usar água termal ou cremes hidratantes calmantes e, em alguns casos, com orientação de um médico dermatologista, talvez seja necessária a prescrição de cremes com corticoides na composição”. Então, se você já sabe que tem uma pele sensível, com predisposição a alergias, a doutora dá mais um conselho: “Para peles muito sensíveis, recomendo as máscaras de tricoline 100% algodão com dupla camada”.

A cada duas horas, a máscara deve ser trocada. Lembre-se sempre da importância de lavar o rosto e as mãos ao manipular o item de proteção. Para pessoas que estão trabalhando fora de casa e precisam trocar a máscara várias vezes durante o dia, a doutora Michelle recomenda alguns passos: “Á noite, após lavar o rosto, faça compressas em toda a face com água termal em gaze ou algodão de 10 a 15 minutos e, em seguida, aplique um creme hidratante calmante. Essa dupla vai aliviar a irritação e acalmar a pele, além de repor sua função de barreira protetora”.

Para quem já tem patologias crônicas de pele, como acne, rosácea dermatite atópica, dermatite seborreica ou psoríase, a profissional alerta que com o uso prolongado da máscara de proteção, pode haver agravamento dessas doenças, e o mais indicado é procurar atendimento dermatológico. Durante este período, a doutora Michele orienta evitar uso de produtos abrasivos como ácidos antienvelhecimento, esfoliação, peelings e limpeza de pele, para não agredir e sensibilizar a pele.

Então cuide-se! Se você puder, fique em casa e se for sair, use máscara e siga as dicas de cuidados com a pele.

Dra. Michelle Pontes
CRM 4868-SE

BZ-VOL-2050021 – Mai/20