Flacidez no rosto nunca mais!

Saiba como funcionam os tratamentos de preenchimento facial para dar volume ao rosto e adeus à flacidez e ao aspecto cansado

O passar dos anos é capaz de mudar radicalmente as nossas feições. Assim como os cabelos podem branquear com a idade, também, é parte do processo natural de envelhecimento que a pele perca a firmeza e o rosto sofra com a redução de volume. Essas características podem deixar a pessoa com um aspecto constantemente cansado e entristecido, – o que gera um grande incômodo em muitas mulheres.

Um dos motivos que levam a esse quadro é que, durante o processo de envelhecimento, a pele começa a produzir cada vez menos ácido hialurônico – a mesma substância usada em preenchedores e que atrai moléculas de água, garantindo viço, hidratação e volume para o rosto. “Justamente por esse motivo, uma das formas de prevenir e retardar a evolução da flacidez da pele é aplicar o produto em pontos específicos”, afirma Gabriela Schwartzmann, cirurgiã plástica de Ribeirão Preto (interior de São Paulo) e membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.

Mas, quando começar? “O momento certo é quando os sulcos e as rugas, inclusive os leves, já aparecem no rosto mesmo quando ele está em repouso”, afirma a médica. Ou seja, quando os sinais já são visíveis a olho nu mesmo quando não estamos expressando nenhuma reação ou sentimento.

Mais volume
Além de cuidar das rugas, o ácido hialurônico tem outro papel fundamental para o rejuvenescimento facial: ele devolve volume a pontos específicos do rosto, recuperando a vitalidade de outrora. Nesse caso, o preenchedor usado recebe o nome de volumizador e sua fórmula tem uma estrutura diferente que atua para essa finalidade.

“A reposição de volume tornou-se a atual base do tratamento de rejuvenescimento facial. Ele varia de acordo com o rosto de cada paciente, mas, geralmente, as áreas que mais precisam de tratamento costumam ser as maçãs do rosto, o mento [região entre o lábio inferior e o queixo], mandíbula e têmporas”, diz Gabriela.

Para a dermatologista Mônica Aribi, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia, de São Paulo, outros pontos que devem ser observados são os das pálpebras inferiores, por conta das olheiras, e a boca. “São as áreas que trazem maior impacto no visual”, explica a médica.

Atenção extra
Além de preencher sulcos e rugas, também é preciso restaurar a sustentação da face para evitar um aspecto inflado. Assim, quem se queixa de marquinhas de bigode chinês tem que antes tratar a região da face, para ter um resultado mais eficaz e natural. “A avaliação criteriosa do médico especialista é mandatória para otimizar recursos e resultados. Isso porque apesar de a maioria dos pacientes solicitar o preenchimento do bigode chinês, por exemplo, muitas vezes conseguimos rejuvenescer mais a face ao tratar outras áreas que ele pouco percebe, como o sulco nas olheiras, a perda de volume no centro da face ou nos lábios etc”, orienta a cirurgiã plástica.