Comportamento

Os novos 50

Para muitas mulheres, os 50 anos é a melhor faixa etária de toda a vida

Independentes, livres, que vão em busca do que realmente querem e abstraem as opiniões que não acrescentam em nada, essas são as mulheres de 50 anos.

Uma pesquisa realizada pela marca de preservativos femininos Playtex, com 1,5 mil mulheres na Inglaterra, revelou que aquelas que chegaram aos 50 anos nunca se sentiram tão felizes, aventureiras e com mais libido.

Ainda de acordo com o levantamento, realizado com mulheres com idades entre 20 e 65 anos, 49% das consultadas afirmaram que se sentem mais realizadas a partir dos 50 anos e que os relacionamentos em geral melhoraram.

Os caminhos para a felicidade também ficaram mais acessíveis a essas mulheres por causa do desenvolvimento da medicina, que tem proporcionado vida mais longa e, sobretudo, mais confortável.

De acordo com a cirurgiã plástica Aneta Vassiliadis, a mudança de comportamento das mulheres acima dos 50 anos é visível. “Os novos 50 anos são os antigos 40. As mulheres estão super jovens e com recursos financeiros para cuidar do seu visual. Estão nessa faixa etária ascendendo profissionalmente, muitas começando novos relacionamentos e praticando atividades físicas. Aquelas com filhos tem mais tempo para si porque a maioria já está numa idade em que demandam menos tempo da mãe”, afirma a doutora.

Por conta da chegada do home office e das chamadas de vídeo, a profissional notou um aumento de mulheres de 50 anos ou mais em seu consultório. “A distância focal e o tipo de luz, combinados à câmera do computador, desfavorecem a imagem. Mais do que isso, raramente passamos tanto tempo olhando para a nossa própria face enquanto atuamos profissionalmente. Por esse motivo, notamos muitas alterações que passariam despercebidas, ou teriam menos importância em outro momento”, completa.

Desse modo, a procura é principalmente por tratamentos não cirúrgicos que tratam a “cara de cansada”, isto é, as olheiras e o canto da boca caído. Outro aspecto da face que mais recebe esse tipo de tratamento é o semblante  triste, que geralmente é potencializado por marcas de expressões como o “bigode chinês” e a pele sem viço. 

“As queixas fazem sentido, ainda mais se pensarmos que nos olhamos de frente na maior parte do tempo. Raramente iremos nos queixar do contorno da mandíbula, da projeção de mento ou papada”, explica a doutora.

Como cuidar da pele de mulheres com mais de 50 anos?

O primeiro cuidado de maior importância: filtro solar sempre.

Além de cremes hidratantes faciais, especialistas recomendam o uso diário de vitamina C, que se combinados com os princípios ativos de ácidos específicos ideais para a pele tanto no verão quanto no inverno, são capazes de manter uma boa textura e luminosidade da pele, prevenir o processo de envelhecimento global da face e melhorar o aspecto cansado.

A doutora Vassiliadis também indica as hidratações injetáveis, que é o uso do ácido hialurônico com menor densidade. O procedimento proporciona hidratação eficaz para a pele, ou seja, diminui o aspecto quebradiço e ressecado.

Mulheres acima dos 50 anos precisam iniciar a reposição do que mais se perde nessa faixa etária de perimenopausa: massa óssea, e a falta dela é um dos principais fatores para o envelhecimento da face. “Sempre é bom começar pela reestruturação facial. Depois, adequamos para o que cada paciente mais necessita. Umas terão mais olheiras, outras, envelhecimento perto da boca e, assim, programamos o que seria a sequência de procedimentos indicada para cada paciente”, explica a dermatologista.

Com a vivência dos 50 anos, as mulheres sentem mais liberdade para irem em busca do que realmente querem. Dessa forma, vale escolher seguir com os tratamentos não cirúrgicos, pintar os cabelos, ou deixá-los brancos. Acima de tudo, respeito às histórias e preferências de cada uma.

Aneta Vassiliadis

CRM-SP 108213

Mais Comportamento

Leia também