Queda de cabelo

Entenda as causas e como evitar esse problema que atinge ambos os sexos

Mudança de estação, shampoo não adequado, falta de hidratação nos fios e outras inúmeras possíveis causas, mas teorias à parte, o que realmente causa a queda de cabelo são oscilações do hormônio feminino e fatores como stress, seborreia, dietas desequilibradas, cistos de ovário, menopausa, transtornos endócrinos, período pós-parto, pós-cirurgias, entre outros itens.

“Temos também as causas traumáticas químicas e físicas, como alisamentos, reflexos, descolorações, permanentes e, até mesmo, os rabos de cavalo que tracionam demais o couro cabeludo”, explica a dermatologista Dra. Ligia Kogos.

Nos homens, a temida calvície se inicia a partir da região das “entradas”, avançando progressivamente para trás e para os lados do couro cabeludo. A médica diz que está intimamente ligada a fatores hormonais e genéticos, que resultam no afinamento progressivo dos fios, que vão enfraquecendo até desaparecerem. “O hormônio masculino, se captado em grande quantidade pelos “receptores” (estruturas ávidas por hormônio, presentes no couro cabeludo e herdados geneticamente), vai causar esse problema. A gravidade dependerá desta carga genética, determinando número maior ou menor de receptores herdados”.

Nas mulheres, mecanismo semelhante ocorre, ainda que em menor expressão. Em fases de estresse e problemas como síndrome de ovários policísticos e menopausa, são comuns a perda de volume, o afinamento dos fios e a rarefação na parte da frente da cabeça. “Outros fatores, como câncer, tuberculose, HIV e desnutrição, podem fazer com que homens e mulheres percam os cabelos, além do envelhecimento. Mas a causa mais comum da clássica queda é mesmo a associação entre a ação hormonal e genética”, comenta a Dra. Ligia.

Os tratamentos visam devolver, ainda que parcialmente, o volume perdido e prevenir futuros problemas. O finasterida oral, medicamento contra calvície, é um dos mais usados, tanto para os homens quanto para a as mulheres, nos casos em que a hereditariedade e os hormônios estão envolvidos. Cápsulas de aminoácidos, proteínas, vitaminas do complexo B e ácido fólico também se mostram eficazes quando o assunto é evitar queda. Segundo a dermatologista, shampoos de ação anti-caspa e anti-oleosidade (contendo piroctona olamina, piritionato de zinco, enxofre, sulfacetamida) contribuem para um bom resultado. Injeções de medicamentos diretamente no couro cabeludo são usadas em casos agudos e resistentes de calvície, especialmente nas mulheres.

Mitos e verdades

Não há nenhum problema em lavar a cabeça diariamente. As pessoas com cabelos oleosos sentem essa necessidade e isto não prejudica;

Também não existe nenhum inconveniente em dormir com os fios molhados. A água não penetra dentro das raízes, não causa micoses nem inflamações;

Cortar as pontas não ajuda a evitar queda e não deixa mais forte, pois a raiz não “sabe” o que ocorre nas pontas;

Os alisamentos causam danos, tornando o cabelo frágil, quebradiço e partido;

A tintura não causa queda e pode ser feita à vontade, já a descoloração sempre prejudica os fios.