Turismo empoderador

A empreendedora que cria roteiros que valorizam e encorajam mulheres

Marianne Costa é daquelas mulheres que não se acomodam. Na faculdade de turismo, conheceu o empreendedorismo, apaixonou-se pelo tema e nunca mais parou de trabalhar nessa área, sempre pensando em como poderia fazer mais, junto com sua amiga Mariana Madureira, criou a Raízes Desenvolvimento Sustentável, empresa de projetos de turismo que envolvem fortalecimento de capital humano, social e econômico.

Insatisfeita, Marianne sentia que faltava algo e por meio da sua empresa, trilhou novos caminhos: “Desenvolvemos no Vale do Jequitinhonha (Minas Gerais), região onde já estávamos trabalhando com artesanato, um roteiro de turismo comunitário. Demorei quase quatro anos para perceber que estava aí a minha grande paixão: gerar desenvolvimento através do que eu já fazia, ajudando a preservar a cultura, a história, a natureza, promovendo renda de forma associativa e positiva”, diz. A partir daí, muita coisa mudou em sua vida pois ela percebeu que poderia fazer mais por si, pelos seus anseios, pela profissão e, principalmente, por muitas outras mulheres do Brasil.

“Percebemos que havia mais valor na história das mulheres por trás daqueles produtos do que na comercialização deles por si só. Pensamos que seria mais interessante levar pessoas até elas e desenvolvemos o roteiro Do Barro à Arte, que leva viajantes para conhecerem essas ceramistas e suas comunidades”, conta. Marianne sempre acreditou no potencial feminino, não somente de aprender e lutar, mas também de compartilhar e se unir.

Encantadas com o roteiro, as pessoas que participavam do projeto logo perguntavam quando seria o próximo. As sócias entenderam que chegava o momento de dar o segundo passo e oferecer outras oportunidades de viagens comunitárias, criando uma operadora de turismo que valorizasse a cultura e o povo brasileiro, que funcionasse como um negócio de impacto social mas, que acima de tudo, continuasse valorizando e encorajando as mulheres como protagonistas. Assim nasceu a Vivejar.

Dentro da sua proposta, cada viagem tem um fio condutor, baseado em temas como o artesanato, a gastronomia, a cultura negra ou o empoderamento feminino. A ideia é trazer uma viagem transformadora, tanto para viajantes, quanto para as comunidades. Além do destino pioneiro, outros roteiros fazem bastante sucesso como: Ilha de Cotijuba (Pará), Morro da Babilônia (Rio de Janeiro) e Grajaú (São Paulo).

Hoje, Marianne está realizada e diz que transformou seu trabalho em uma enorme oportunidade de aprendizado diário: “A cada viagem e situação me torno uma pessoa melhor e mais resiliente.”

E para quem pensa que ela deseja parar por aí, nada disso, novos roteiros e destinos já estão sendo estudados.

Que tal se inspirar nessa história bacana para fazer mais por você?